quinta-feira, dezembro 07, 2006

Nota de Leitura -- O Senhor Brecht

Na série O bairro, o português Gonçalo Tavares cria personagens inspirados em escritores famosos: O Senhor Valéry, O Senhor Henri, O Senhor Juarroz, O Senhor Calvino, O Senhor Kraus, e O Senhor Walser são todos vizinhos num bairro imaginário que terá, quando acabado, mais de trinta senhores, sendo o próximo da lista O Senhor Eliot; além, é claro, d'O Senhor Brecht, o primeiro da série a ser publicado no Brasil (Casa da Palavra, 2005).

O Senhor Brecht me chegou hoje de manhã pelo correio. São 72 páginas que se lêem em 15 ou 20 minutos; 50 micro-estórias — algumas realmente micro, de apenas duas linhas
—, a maioria delas absurda, e todas uma espécie de parábola ou fábula da condição humana, tratando de problemas universalmente reconhecíveis como a insatisfação, a guerra, a subserviência, a estupidez individual e coletiva, etc. Aí vão três delas:
____Interrupção
Um homem muito velho, quase cego, sem memória, que tremia e mal conseguia andar, tropeçou e caiu com o coração em cheio sobre a lâmina de uma faca.
___Antes de morrer ainda conseguiu dizer: “logo agora que”.

___O amigo
Era um rapaz passivo. Aceitava tudo o que vinha dos chefes. Porém, como era bajulador, incomodava. Cortaram-lhe a língua: deixou de elogiar. Depois cortaram-lhe os dedos. Deixou de escrever textos laudatórios. Foi num desses dias que, com a cabeça a bater numa mesa — em código morse — ele disse, para os seus chefes:
___— Mais uma como esta e perdem um amigo.

___Diamantes
Em vez de uvas os cachos do reino deixavam cair sobre a terra diamantes.
___
— Diamantes, diamantes, diamantes! Há anos que é só isto — queixava-se o produtor.

2 comentários:

João Paulo Medeiros disse...

Rapaz,
tua descrição foi tão instigante que sinceramente
fiquei com vontade de comprar o livro.

Que pena que não sou burguês para
fazer compras
e ficar esperando pelo correio...
"A burguesia fede", como diria Alípio.

kkkkkkkkkkkkkk

Márcio S. Sobrinho disse...

se eu te disser que me custou 5 reais, vc ainda me chama de burguês? :p